O que fazer em Cavalcante – O Guia Completo

Cavalcante, município brasileiro do estado de Goiás, terra de abundância, fartura, riqueza. Região sinônimo do que é a Chapada dos Veadeiros. Ela é tão atraente quanto as famosas cidades de Alto Paraíso e São Jorge, mas ainda pouco inserida no roteiro.


O que você encontrará nesse artigo:


Muita gente opta por fazer o bate e volta até a Comunidade Kalunga Engenho II, em busca da famosa Cachoeira Santa Bárbara, deixando de lado um número gigantesco de possibilidades.

Isso vai acabar, pois o Leve Sem Destino chegou para trazer algumas verdades, e claro, lhe contar o que fazer em Cavalcante! Tá pronto(a)? Então segura!

Inseguro na montagem de seu roteiro?

Se você está confiante nas nossas informações mas ainda se sente inseguro(a) para montar seu roteiro, fale conosco! Basta apenas preencher um pequeno formulário com algumas informações e nós fazemos um orçamento para você. Organizamos um programa totalmente personalizado. De acordo com o estudo de seu perfil, lhe passaremos informações de hospedagem, alimentação, e claro, todos os atrativos organizados diariamente para você curtir bastante sua viagem à Chapada dos Veadeiros.

Fechando sua hospedagem e aluguel do carro em nossos links afiliados, você recebe seu roteiro DE GRAÇA!

 

Por que conhecer Cavalcante?

A região que compreende a cidade de Cavalcante abriga a maior área do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros – PNCV. O território do PNCV, hoje com 240 mil hectares, possui 60% do espaço nessa cidade.

A viagem de Alto Paraíso até Cavalcante já é um presente, pois nesse trecho o cerrado se mostra exuberante, diferente de outros percursos, onde “selvas de soja” contrastam com o que resta de vegetação nativa

Ao chegar na cidade, chapadões e morros são visualizáveis de quase todos os pontos. Você se sente então, abraçado(a) pelo cerrado

o que fazer em cavalcante - chapada dos veadeiros - goias - rei do prata- santa barbara - cachoeira - candaru - onde comer - comunidade kalunga - vao do moleque - guia (70)

 

Cultura e História de resistência

Adentrando regiões remotas da cidade, somos apresentados ao que é a maior região de concentração de remanescentes quilombolas do Brasil. As comunidades pertencentes a Cavalcante são formadas por descendentes dos primeiros escravos fugidos das fazendas, ou propriedades de seus donos. Isolados, eles formavam comunidades independentes, que existem até hoje, como o Vão do Moleque e o Vão de Almas

 

Nem só de Santa Bárbara é feita a Chapada dos Veadeiros

Eu gostaria de colocar esse título em LETRAS GARRAFAIS, negrito e sublinhado. Vai parecer que estou gritando com você (e pode ser que eu esteja mesmo). Mas é por uma causa óbvia: A Chapada dos Veadeiros é um universo carregado de fartura. Nascentes, córregos, cachoeiras intermináveis. A maior savana neotropical do mundo e também uma das mais degradadas diariamente. Chega a ser injusto ouvir alguns pedidos de: “quero conhecer a Chapada dos Veadeiros, como eu faço para chegar à Santa Bárbara?”.

Eu sei, todo mundo quer ver de perto a princesinha do cerrado. Ela é perfeita, com sua águas translúcidas e tom verde-azulado. Porém, nessa busca insana pela cachoeira Santa Bárbara, a impressão que eu tenho é que você esquece de olhar para os lados. Veja só exemplos do que ‘cê’ tá deixando de enxergar:

 

Boas Novas

Com a ampliação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, novos atrativos passaram a ser parte dele (e sim, muitas cachoeiras entram no leque de possibilidades). E a boa notícia é a abertura de outra portaria para o Parque Nacional em Cavalcante! Sim, um novo portão de acesso, que ligará Cavalcante a São Jorge. Não se sabe ao certo quando esse projeto sairá do papel, mas a perspectiva é que seja logo (a  trilha para a travessia de Cavalcante a São Jorge já existe. Está em fase de testes e alguns guias fizeram o percurso, que possui algo em torno de 30 km

 

O que fazer em Cavalcante – Cachoeiras

Eu sei. É de cachoeira que você (nós e toda a torcida do Flamengo) gosta. Cavalcante é recheada de cachoeiras imponentes. Vou te listar algumas.

Dica: Na região da Chapada dos Veadeiros, existem muitas cachoeiras distantes que vale muito a pena conhecer. Alugue um carro e conheça-as por conta própria!

 

Cachoeira Candaru – Comunidade Kalunga Engenho II

Não é a toa que ela foi escolhida para ser capa das lista de 38 Cachoeiras da Chapada dos Veadeiros. Ela será sempre minha escolha. Aqui bate sol até as 14/15 hrs. Seu Joseli, nosso guia Kalunga, nos levou atrás da primeira queda. Água até você ficar maluco. Um banho de lavar a alma!

 

Novidade

Para acabar com a corrida maluca que estava se tornando a visita a Cachoeira Santa Bárbara, foi implantado um novo sistema de agendamento. Assim, a Candaru pode ser agendada no mesmo dia da cachoeira mais famosa da Chapada dos Veadeiros. Para isso, basta acessar o Ecobooking, escolher a data e selecionar o guia associado (recomendamos Seu Joseli).

  • Chegando à comunidade, as opções são: pagar a Jardineira ou ir a pé mesmo

 

Valores e Distância

o que fazer em cavalcante - chapada dos veadeiros - goias - rei do prata- santa barbara - cachoeira - candaru - onde comer - comunidade kalunga - vao do moleque - guia (21)

  • Cachoeira Candaru: R$ 10, se comprado no dia. R$ 15, se reservado no ecobooking. 
  • Jardineira: R$ 20 (ida e volta). O veículo deixa o pessoal a uma distância de 350 metros da cachoeira.
  • Guia associado: R$ 120. Guia Kalunga que leva às duas (Santa Bárbara e Candaru), podendo ser dividido por até 6 pessoas.
  • Distância: aproximadamente 14 km, partindo do CAT da Comunidade Kalunga Engenho 2.

Observações

Em período chuvoso o acesso à Candaru só é possível a pé mesmo, pois o trecho onde passa a jardineira é bastante íngreme, sendo difícil a passagem do veículo. 

Dica: Para fazer um “bem bolado”, reserve a Santa Bárbara pelo site e adquira seu bilhete a Candaru (ou Capivaras) na hora, pois o risco de superlotação se restringe à primeira cachoeira.

 

Cachoeira Santa Bárbara

A queridinha da Chapada dos Veadeiros. Se tornou tão famosa, que para uma redução de possível impacto ambiental, causado por tanta gente querendo fazer foto pro Instagram conhecê-la, regras de visitação foram impostas. São elas:

  • A capacidade máxima de visitantes para a Santa Bárbara é de 300 pessoas por dia, sendo 60 por vez;
  • O tempo de permanência nela e na Barbarinha é de 1 hora;
  • Para chegar na cachoeira Santa Bárbara você pode optar pela Jardineira, ou ir andando;
  • É obrigatória a presença de guia.

o que fazer em cavalcante - chapada dos veadeiros - goias - rei do prata- santa barbara - cachoeira - candaru - onde comer - comunidade kalunga - vao do moleque - guia (21)

 

Agendamento

Como mencionado na cachoeira anterior, não deixe de fazer sua reserva pelo Ecobooking;

Observação: o agendamento só é válido para os guias associados. A lista você encontra no site. Nós fizemos com Seu Joseli, que é Kalunga e eu recomendo demais

Contato do Seu Joseli: 62 – 996037029.

 

Valores

  • Reserva da Cachoeira Santa Bárbara pelo Ecobooking: R$ 25;
  • Compra diretamente na bilheteria do CAT da comunidade, sem reserva pelo site: R$ 20;
  • Jardineira:  R$ 5 cada trecho. R$ 10 ida e volta.

 

Você deve estar se perguntando o porque do ingresso para a cachoeira Santa Bárbara pelo site ser R$ 5 mais caro. Essa resposta eu não tenho (rs), mas garanto que o melhor é chegar lá com reserva.

Nós fomos em um domingo, chegamos as 9 e pouco e os ingressos já haviam se esgotado. Teve gente que perdeu a chance de conhecer a Santa Bárbara naquele dia por preferir economizar. Uma economia assim não compensa.

 

Cachoeira Capivara

Agora sim você aproveita o banho! A maioria dos visitantes opta por fazer Santa Bárbara e Capivara. Há ainda quem encare as três (Santa Bárbara, Capivara e Candaru), no mesmo dia. Eu disse que minha preferida é a Candaru, mas essa também tem seu charme. Um espaço aberto, a charmosa queda, muito sol e um enorme poço.

o que fazer em cavalcante - chapada dos veadeiros - goias - rei do prata- santa barbara - cachoeira - candaru - onde comer - comunidade kalunga - vao do moleque - guia (48)

 

E o melhor, aqui não existe tempo máximo de permanência. A trilha para a Cachoeira Capivara é curtinha, tendo só 600 metros em tempos de seca. O carro para bem perto. 

Observação: No verão (temporada de chuvas), as regras para visitação da Cachoeira Capivara mudam, sendo necessário deixar o automóvel estacionado a 2 km de distância, pois a estrada fica bem ruim. 

 

Valores

  • Ingresso para a Cachoeira Capivara: R$ 10, se comprado no CAT. R$ 15, se reservado no Ecobooking;
  • R$ 100Guia associado, para levar à Cachoeira Santa Bárbara e Capivara;
  • R$ 150Guia associado, para levar à Cachoeira Santa Bárbara, Capivara e Candaru.

Valores referentes ao período de set/2019.

 

Complexo do Prata

Mais uma experiência memorável! Desejo antigo retirado da listinha com sucesso. Sete é, definitivamente, um número de sorte.

 

7 cachoeiras localizadas em uma região que mais se assemelha ao paraíso perdido de Adão e Eva – falei bonito agora, vai dizer? 😛 

O Complexo de Cachoeiras do Prata não é só um dos programas mais imperdíveis de toda a Chapada dos Veadeiros, como merece ser explorada em mais do que um bate e volta Um dia é pouco para conhecer tudo.

São cachoeiras belíssimas, mirantes, poços verdes e translúcidos. Com destaque especial para dois pontos de extrema exuberância: o Rei e a Rainha do Prata.

 

O Complexo de Cachoeiras do Prata merece uma publicação inteirinha. Saiba tudo sobre esse reinado clicando aqui

  • As cachoeiras do Prata localizam-se a 65 km de Cavalcante, em estrada de chão batido;
  • Há duas opções de hospedagem. Nós ficamos no Espaço Rei Do Prata: um camping/hostel, localizado do terreno mais próximo ao Rei e Rainha. Uma experiência de desconexão com o mundo e reconexão consigo mesmo(a), ou seja, aquilo que é mais sagrado;
  • Recomendo veemente que você separe, ao menos 2 dias, para explorar melhor esse cerrado tão rico e puro

 

Valores

  • R$ 20 para exploração das primeiras 5 cachoeiras (Pratinha, Três Marias, Esmeralda, Cachoeira da Cortina e Prata 5);
  • R$ 20 para o Rei e a Rainha.

Observação: é obrigatória a presença do guia. Nós conhecemos cada cantinho desse Complexo com o Edson. O passeio com ele fez toda a diferença, pois boa parte dos guias não passam por locais que estivemos. Partes onde a trilha é mais técnica e o condutor necessita de cordas para auxiliar na segurança.

 

Cachoeira Santana

As vezes eu acho que a Deusa PachaMama tava afim de trollar a gente. Ela criou monstruosas quedas, fez brotar um mundo inteiro de águas doces e puras, mas não satisfeita, colocou uma piscina de borda infinita natural, suspensa em 80 metros de altura. 

 

Localizada a aproximadamente 10 km de Cavalcante, essa cachoeira fazia parte da minha lista de desejos distantes, pois quando ouvi falar dela a primeira vez o acesso era limitadíssimo. Somente para familiares e amigos dos donos do espaço.

Até que um dia, tcharam! Conheci a Liz @lizleone, que é neta do pessoal que vive ali. Foi a Liz que resolveu tornar essa cachoeira mais próxima de nós

o que fazer em cavalcante - chapada dos veadeiros - goias - rei do prata- santa barbara - cachoeira - candaru - onde comer - comunidade kalunga - vao do moleque - santana - guia ( (1)

 

Para conhecer essa belezura, entre em contato com a Liz pelo IG em destaque. 🙂

 

Cachoeiras da Pousada Fazenda Veredas

Localizadas na Fazenda Veredas, a 5 quilômetros de Cavalcante. São 7 cachoeiras espalhadas pelo território. O destaque vai para a Cachoeira Veredas, também chamada de Veredão, que com seus 90 metros de queda, está inserida dentro de um cânion.

Ainda não tivemos a chance de explorar essa fazenda, mas a vontade é diretamente proporcional ao tamanho da Veredão. Outro atrativo bom de ser visitado em 2 dias.

 

Valores

  • R$ 25 por pessoa.

 

Cachoeira do Canjica, Quebra Pedra e Águas Lindas

Não conhecemos ainda, mas de acordo com o Douglas, nosso amigo guia e guardião da Chapada, é lindo mesmo. Provas? Dá uma olhada:

 

Fica a 72 km de Cavalcante. Sendo depois da entrada para o Complexo Rei do Prata. Trilha de nível médio, totalizando 12 km. Ainda de acordo com o Douglas, o local fornece almoço mediante encomenda.

O Complexo Águas Lindas é composto por vários poços, cachoeiras pequenas e uma borda infinita com vista para o Vale, Poço da Pedra e a Cachoeira Canjica.

Para conhecer a cachoeira é obrigatória a presença do guia. Nossa recomendação é justamente o fornecedor das imagens. Foi ele que nos levou para conhecer o Mirante da Couros, um rolê insano. Dos cenários mais lindos que já tivemos contato na vida!

Contato do Doug via Insta ou: (61) 9299 – 1117.

 

Cachoeira São Félix

Prainha na Chapada dos Veadeiros? Tem também! Localizada a aproximadamente 67 km de Cavalcante, a Cachoeira São Félix está dentro de uma fazenda de mesmo nome. Por hora, não tenho muita informação sobre, mas li que a trilha não é longa, as águas são calmas e rasas (em sua maior extensão), e existe a faixa de areia. Um bom local para levar crianças. Há também uma área de camping, para que você possa curtir esse passeio em dois dias (ou mais). Mas antes de se aventurar na Cachoeira São Félix, informe-se sobre as condições da estrada.

 

Cachoeira Barroco

Situada dentro da Fazenda Barroco, e localizada a aproximadamente 11 km de Cavalcante, o atrativo é composto por 6 cachoeiras. A primeira é bastante acessível, tanto para crianças quanto para pessoas de mais idade e pessoas com dificuldade de locomoção. As demais já exigem um pouco mais de preparo, por estarem no sentido de subida da cachoeira.

Entrada: R$ 20;

É obrigatória a presença de guia.

 

Ponte de Pedra

De acordo com meu informante Douglas, as formações rochosas que fazem parte desse espaço tem cerca de 2,2 bilhões de anos! Isso significa que o lugar tem metade da idade da terra, sendo então o local mais ancestral de Cavalcante.

10 km de trilha ida e volta, sendo o nível considerado difícil, por conta de uma subida íngreme, com 700 metros de elevação.

O atrativo Ponte de Pedra é formado por uma cachoeira, dois mirantes e o arco que forma a ponte. Tá bom ou quer mais?

 

Cachoeira Ave Maria

Trata-se de um mirante para contemplação da cachoeira Ave Maria. Quem já foi aos atrativos Santa Bárbara, Capivaras e Candaru, passou pela placa que sinaliza o caminho desta cachoeira, mas nem se deu conta. Isso aconteceu conosco.

Até hoje não conseguimos tirar uns minutinhos para contemplar a cachoeira. A trilha é curta e o caminho sinalizado. Se você já passou por ela, aproveite o espaço dos comentários para nos dizer como foi.

 

Onde Ficar em Cavalcante

Com tanta cachoeira assim, não é possível que você ainda pense em bate e volta, certo? Então vamos lhe indicar onde se hospedar em Cavalcante. A primeira, “provada” e aprovada por nós. 🙂

 

Casa da Zuzu

Escolhemos a Casa da Zuzu devido as excelentes avaliações que lemos no Booking. A Casa da Zuzu (que também pode ser chamada de nossa casa), é um ambiente simples, mas acolhedor. Amanda – a Zuzu, abriu as portas da própria residência, montou uma estrutura bacana e disponibilizou 3 quartos: 1  com cama de casal, outro com 2 camas de solteiro e o terceiro, compartilhado.

Além do mais, o quintal possui espaço para barracas, um banheiro feminino e outro masculino, cozinha compartilhada, espaço da fogueira,  área de convivência e uma boa varanda, com redes para você descansar quando voltar das trilhas. Por essas e outras escolhemos a Casa da Zuzu e recomendamos como uma excelente opção de onde ficar em Cavalcante.

 

O ponto forte na casa da Zuzu foi a qualidade no sono. Nós chegamos de Alto Paraíso bem tarde. Amanda nos recebeu prontamente, com uma enorme simpatia. Ali comemos alguma coisa e capotamos. Um sono reparador.

Na Casa da Zuzu há muitos apanhadores de sonhos e uma decoração alegre. Chama a atenção o desenho de uma onça, que ainda está em criação. Amanda disse que aquela onça faz parte de um acontecido que ficou marcado.

 

Susto ou Agradável Surpresa?

Em resumo, ela estava com um grupo curtindo os arredores da região, quando uma sussuarana apareceu e pegou todos de surpresa. Para a sorte dela – e de todo o resto – o grupo era relativamente grande e ninguém correu desesperado se precipitou.

Eles preferiram sair da área juntos, “colados” uns nos outros, enquanto eram escoltados pela nossa amiga territorialista.

Zuzu pensa ser bem provável que a onça tenha se sentido intimada pela quantidade de pessoas ali, mas pode ser que ela apenas estivesse de barriga cheia.

 

 

Quando você for à Casa da Zuzu, não deixe de brincar com a Gaya e o Tigrinho (eu que batizei o gatinho). São duas criaturas cativantes. 

Endereço

Rua 236 Quadra 87 Lote 6, Morro Encantado Entrada de Cavalcante, Cavalcante

 

Contato

@casadazuzu@casadazuzu| (62) 99663-7356

 

Pousada Recanto da Mata

Outra hospedagem muito bem avaliada. Dispõe de quartos e chalés, tudo impecavelmente arrumadinho. Nós tivemos o prazer de conhecer a dona Nice, que foi um amor de pessoa, desde o primeiro contato

 

A Pousada Recanto da Mata é uma das primeiras para quem chega a cidade de Cavalcante vindo de Alto Paraíso (se não for a primeira). 

O café da manhã é super elogiado. Logo ao acessar a Pousada Recanto da Mata, um jardim bonito e bem cuidado se apresenta para nós. O espaço é amplo, com árvores, redes, banquinhos para descanso. Enfim, um convite ao total sossego

Sinto que vamos ter mais uma opção de onde se hospedar em Cavalcante, assim que voltarmos lá.

 

Endereço

Rua 03 Quadra 55 610, Cavalcante

 

Contato

(62) 99901-1756

 

Espaço Rei Do Prata

Essa opção de onde se hospedar em Cavalcante foge um pouco do tradicional, mas é outra alternativa excepcional. O Espaço Rei do Prata faz parte do Complexo de mesmo nome (Complexo Rei do Prata). Trata-se de um ponto para descanso com outra proposta: a de desconexão com o mundo externo, agitado; para uma reconexão consigo mesm@.  O Espaço Rei do Prata conta com camping e hostel. Um espaço pequeno, mas rústico levado ao pé da letra. A estrutura conta com cozinha compartilhada, fogão a lenha, banheiro, 1 quarto com três beliches e toda uma área verde, onde está a área de camping, da fogueira, e muitas redes, estrategicamente armadas debaixo das árvores. 

 

Por estar dentro de território natural/preservado, não há geladeira ou fogão a gás, mas tem energia, graças a uma pequena placa solar instalada pelos meninos, responsáveis pelo terreno.

Para mais detalhes sobre essa excelente opção de hospedagem, clique no post específico do Complexo Rei do Prata.

  •  Entre em contato com o Wagner:

(62) 98337650 | @espacoreidoprata

 

Por agora, saiba que para se hospedar no Espaço Rei do Prata você deve agendar.

O espaço do hostel comporta 6 pessoas por noite, então reserve o quanto antes, se esta for sua escolha. 

Mesmo o camping deverá ser agendado, para que o Gabriel, o rapaz que cuida de tudo, possa te receber e orientar sobre tudo. Entenda que ele está incomunicável (lá não pega sinal de nenhuma operadora). 

 

Onde Comer em Cavalcante

Café da Manhã

Padaria da Villa

Localizada no Morro Encantado, bem perto da Casa da Zuzu, essa padaria/lanchonete é um local simples, que super atendeu nossas necessidades na hora de forrar o estômago, antes de encarar as trilhas

 

Aqui eles servem nosso amado pingado, mistos no pão de sal ou de forma, sucos de fruta e/ou polpa, pão de queijo, bolos, biscoitinhos caseiros e salgados. O preço é bem em conta e ainda aceita cartão.

 

Flor de Lótus

Tive muita vontade de parar nela para um lanche e um descanso na rede (sim, há algumas no espaço..rs), mas não deu tempo. Nessa padaria eles oferecem o café da manhã completo. Além de bolos e tortas, vale a pena conferir.

 

Lanchonete e Padaria do Seu Cirilo (Comunidade Kalunga Engenho II)

Indicação do Edivaldo, que é guia, morador da comunidade Kalunga. Segundo ele, sempre há opções para os interessados em fazer aquela boa quebra de jejum, mas se o grupo for grande, o melhor é fazer uma encomenda.

 

Almoço

Em Cavalcante

Lanchonete e Restaurante Quero mais

Localizada em uma esquina de Cavalcante, a lanchonete oferece comida boa, com cardápio variado e bom custo-benefício. Pelo menos é o que consta em várias avaliações. Em breve, vamos conferir!

O pessoal também curte uma cervejinha gelada e açaí. Essa indicação eu peguei com a Yunna, que mora em Cavalcante e hospeda o pessoal em sua casa. Obrigada, flor. 🙂

 

Canela de Ema

Mais um estabelecimento super bem avaliado! Ambiente decorado, super arrumadinho, pratos bem apresentados. O Restaurante Canela de Ema já está selecionado para ser “testado” por nós. Por hora, saiba que a proposta aqui é slow food, ou seja, venha sem pressa e, em caso de muita fome, peça alguma entrada de fácil preparo. O destaque, mais uma vez, vai para a inclusão de ingredientes regionais no menu, desse jeito nós não resistimos!

Observação: Funciona as sextas, sábados e domingos, mas o almoço só é servido aos finais de semana.

 

Flor do Cerrado

Nós tivemos a chance de tomar uma cervejinha aqui, enquanto a chaveirinho (Lidiane, do Partiu Viajar Blog), assistia ao jogo do Flamengo x Santos com o Fábio..rs.

Ao lado da praça central, o local serve pratos individuais muito bons. Há inclusive o prato feito vegetariano. O destaque vai para o atendimento e o valor cobrado, na faixa dos R$ 30, sendo muito bem servido.

 

Na Comunidade Kalunga Engenho II

Na comunidade Kalunga mais famosa da Chapada dos Veadeiros (afinal, é aqui que está a Cachoeira Santa Bárbara), há diversos restaurantes locais espalhados. Todos eles oferecem uma alimentação orgânica, variada, comida genuína de roça. Já estivemos em vários, quase sempre escolhidos por nossos guias. O primeiro que fomos, em janeiro de 2017, era disparado o melhor! Infelizmente não me recordo o nome. De qualquer forma, vou deixar duas indicações aqui. Uma que já estive duas vezes e sempre observei uma enorme variedade (além de, claro, o sabor). O outro, indicado pelo pessoal do grupo Chapada dos Veadeiros – Informações Dicas e Companhia

 

Restaurante Rancho Kalunga

Comida de roça, saborosíssima e sempre com enorme variedade. Foi aqui que tivemos a oportunidade de almoçar por duas vezes. O destaque vai para a abóbora cozida (fresquinha, bem macia) e os vegetais servidos, sempre bem quentinhos. O frango caipira e a mandioca frita também são de fazer lamber os dedos.

 

Restaurante da Minelci

11 entre 10 visitantes da comunidade, que frequentaram o Restaurante da Minelci, indicam o local. Ainda não tivemos a oportunidade de conhecer (na próxima, quem escolherá o local de almoço seremos nós…rs). A grande exaltação feita por quem foi é o sabor, como era de se imaginar, a variedade e a simpatia da anfitriã. Dona Minelci que nos aguarde. 🙂

 

Lanche

Beiju Tapiocaria

Tapiocas recheadas, doces ou salgadas. Essa é mais uma opção que a Yunna (moradora da cidade) passou. Vi uma foto que deu água na boca. Com certeza entrou na lista de onde comer em Cavalcante.

Observação: O estabelecimento abre das 16 as 22 hrs. Fecha às quartas e aos domingos.

 

Jantar

Lamirah Cozinha Árabe

Gastronomia árabe original/de fábrica! Que delícia, meu povo! Isso porque não nos aventuramos nas opções do cardápio. Por não estarmos com muita fome, ficamos apenas nas esfirras e no chazinho. O que é Habbib’s perto das iguarias que experimentamos? rsrs

Chegamos já perto do horário de fechar, mas deu tempo de observar a decoração. Que gracinha!

 

O chá veio quentinho, em um bule esmaltado e xícaras que formavam um belo conjunto. Eu nem sou fã de chá, mas tomei tudo, não deu tempo nem de esfriar (rsrs). E as esfirras? Não sou boa em review gastronômico, mas definiria como “ao ponto”. Não estavam nem temperadas demais, tampouco sem sabor. Tudo na medida, em uma massa fofinha, quente, fina, bem diferente de qualquer outra que já tenha provado.

 

Encanto da Pizza

Pizzaria muito bem recomendada. Campeã de indicações no quesito onde comer em Cavalcante. Uma das qualidades do estabelecimento é servir pizza de massa fina e sabores variados. Vale destacar também o ambiente aconchegante, ideal para casais apaixonados. Nós, por exemplo, vamos lá qualquer dia deses.

 

Dona Preta Pastelaria e Macarrões 

Omelete, massas, caldos e pastéis. A Dona Preta foi recomendada, mais uma vez, por moradores e visitantes que vieram me indicar. Fica a dica então, quando você for, chama “nóis”. 🙂

Observação: O estabelecimento abre de terça a sábado.

 

Rei da Batata

Um espaço novo na cidade. Batatas suíças recheadas que, ao que parece, são super saborosas. O espaço também oferece batata frita e sorvetes.

 

Barzinhos

Porque a gente precisa manter o nível de hidratação em equilíbrio, né gente?

 

Em Cavalcante

Bar da Helia

Antes de chegar propriamente em Cavalcante, na Vila do Morro Encantado, bem na esquina, fica o Bar da Dona Hélia. Por estar envolto em grandes mangueiras, o bar é facilmente localizado por quem está seguindo rumo a cidade, ou saindo dela. O Bar da Dona Hélia oferece cerveja gelada e uma boa variedade de pastéis, com ou sem carne. Tem até pastelzinho de jaca!! Gente, uma dos melhores pastéis que já comi na vida! Não lembra nada da fruta em si, mas o tempero é especial. Se algum desinformado experimentar, confunde tranquilamente com frango.

 

Mas o melhor de tudo nem está nos pastéis, e sim, nas araras-canindé que vivem soltas no ‘quintal’! Dona Hélia cuida delas com muito carinho. Elas vêm e voltam à natureza quando querem (com exceção de uma, que foi deixada ali já domesticada e meio mal tratada). Para conhecer o espaço das aves, é cobrado o valor de R$5. Vale muito a pena chegar perto dessas belezuras.

 

Atenção: Dona Hélia impõe regras a visitação, pois as araras podem se estressar e ataca caso se sintam ameaçadas. Para o registro com alguma delas o ideal é chegar no horário da manhã, assim dona Hélia pode lhe  auxiliar.

 

Cervejaria Aracê

A Cervejaria que produz a conhecida cerveja Aracê. Os donos são chilenos e chegaram a pequena Cavalcante trazendo um pouco da culinária do país. Além claro, da produção de chopes e cervejas com aquele toque de ingredientes do nosso bioma. Uma combinação que deu super certo!

 

Quando fomos, experimentamos as cervejas de Baru, Stout e IPA, todas muito boas! Para petiscar pedimos isca de peixe. Estava bem gostoso.

  •  Na Cervejaria Aracê eles servem as tradicionais empanadas chilenas e ceviche. #ficaadica.
  • Também é oferecida a prova dos chopes da casa. Vale a pena experimentar antes de escolher o seu.

 

Na Comunidade Kalunga Engenho II

Bar dos Brother

Cerveja gelada, tem também! Mais uma indicação do Edivaldo. Qualquer dia desses o Leve Sem Destino vai fazer um tour gastronômico e cervejeiro por Cavalcante e a Comunidade.

Gente, o que não faltam são opções de onde comer, beber e relaxar em Cavalcante. Como o post não é específico, não tem como me estender mais, mas se ‘cê’ faz questão de sugerir outro, use e abuse dos comentários. 🙂


Cavalcante, além da Comunidade Kalunga do Engenho II

As comunidades Kalunga Vão de Almas e Vão do Moleque, assim como a Engenho II, são povoados de riquíssima tradição e cultura, que de tempos em tempos se manifestam em festejos locais, atraindo gente de todo lugar.

Não estranhe chegar em Cavalcante e perceber toda uma movimentação de nativos seguindo às comunidades – e se você puder, vá também! 

 

Curiosidade

Como mencionado no início desse artigo, as comunidades Kalunga, próximas a região de Cavalcante, guardam o que foi o maior quilombo do Brasil, tendo hoje cerca de 4500 descendentes de escravos. Eles ainda mantem muitos dos festejos, como a Caçada da Rainha, a mais famosa festa local.

Por serem comunidades de mais difícil acesso para carros populares, um roteiro de imersão às comunidades Vão de Almas e Vão do Moleque, se torna viável em carro traçado, ou em roteiros criados por guias regionais. Esses roteiros incluem viagens a cavalo ou mula, com pernoite de acampamento em quintal de nativos.

E mais, as comunidades Vão de Almas e Vão do Moleque guardam belíssimos atrativos naturais, como o Rio Curriola, Paranã e Corrente.

 

Temperatura em Cavalcante

CavalQuente: Por conta da baixa altitude, Cavalcante possui temperaturas amenas e as vezes, elevadas. Ou seja, tá sempre bom para cachoeira.

 


É isso pessoal, a partir de agora está decretado o fim do bate a volta partindo de Alto Paraíso! Com esse tanto de possibilidades, aposto que você só não vem a Cavalcante se o roteiro for “too short (curtinho). Espero muito que essa publicação tenha o alcance merecido, não só por ser nossa, mas por abrir o leque de possibilidades para uma região com tanto potencial para crescer.

 

Turismo e Responsabilidade Social em Cavalcante 

Eu, você (que está aí louco para conhecer a Chapada dos Veadeiros) e nós, como população brasileira, devemos estar sempre atentos a todas as realidades que nos cercam. Nem tudo são flores, e Cavalcante é uma das cidades com o pior Índice de Desenvolvimento Humano do Centro Oeste (fontes: IBGE e Wikipedia).

Preocupar-se com o turismo responsável na cidade e nos arredores é ter a chance de se hospedar por lá, experimentar de tudo isso que foi listado e ser conduzido(a) por guias locais, dando movimento a toda uma engrenagem próspera.

Eu sei que cada um vem com uma proposta. Muitos vem em excursão fechada ou preferem contratar guias por indicação, como nós. Mas só de ter a chance de estar aqui, tirar um tempo bom para ficar e se preocupar com o impacto que você causa, mudanças positivas se tornam consequência.

Eu tenho certeza que Cavalcante será um dia tão (ou mais) buscada que Alto Paraíso e São Jorge. Essa nova portaria para o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros será o divisor de águas, mas nós, que não somos bestas nem nada, nos adiantamos. 😛 Vai lá antes que estoure!

Edson, nos mostrando que vale a pena estar em Cavalcante!

O Leve Sem Destino preza pela transparência com seus leitores. Nossa hospedagem na Casa da Zuzu foi em forma de parceria, mas garanto que o relato é imparcial e pode ser reforçado pelos relatos dos demais viajantes no Booking.

É isso pessoal, mais uma publicação de um pedaço do que é o mundo Veadeiros. As possibilidades nesse território são intermináveis. O tamanho da vontade de conhecer e abraçar nosso quintal sagrado é você quem diz. Espero que tenham gostado e não esqueçam também de contar conosco na montagem do seu roteiro. Abraços, e até logo!

 


O Leve Sem Destino faz parte de alguns programas de afiliados, isso significa que se você fizer sua reserva através dos links parceiros encontrados abaixo, nós ganhamos uma pequena comissão. Você não paga nada a mais por isso e ainda ajuda o blog a se manter.

 

Hospedagem | Aluguel de Carros | Seguro Viagem


Mônica Rodrigues

Leonina, brasiliense de alma e coração, graduada em Administração em Comércio Exterior e apaixonada por tudo o que envolve o ramo (apesar de não atuar nele). Tem verdadeiro fascínio pelo desconhecido. Acredita que pessoas se tornam melhores ao se depararem com o externo/ diferente, o que foge da “bolha”. Se sente em paz ao viajar e carrega consigo seu namô e sua família pra onde quer que vá.

2 comentários em “O que fazer em Cavalcante – O Guia Completo

  • 24 de outubro de 2019 em 12:20
    Permalink

    Esse post? TUDO para mim!
    Já fiz bate e volta justamente por não ter todas essas informações 🙁
    Agora já imagino meu retorno à Chapada tendo como base Cavalcante, estou encantada!
    Obrigada pelo post!

    Resposta
    • 24 de outubro de 2019 em 12:28
      Permalink

      Primaaaa! Eu fiz esse post pensando em você, juro! hehehehe

      Agora a senhora não precisa mais fazer bate e volta. Cavalcante é uma cidade fofa ao máximo. Eu já quero voltar.
      Quando a gente for, te levamos! 😉

      Beeeijo

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Chapada dos Veadeiros, Destaque, Goiás, Vem pro Cerrado
cachoeira do bisnau - sitio arqueologico - formosa - bezerra - goias (53)
Cachoeira do Bisnau e Poços Verdes – As Joias Secretas do Goiás

De quantos motivos você precisa para explorar mais o estado do Goiás? Que tal três (quatro, cinco…) localizados na mesma

Fechar