Travessia do Salar de Uyuni, 2º dia

Era cedo quando começamos a desmontar o “acampamento”. Acordamos as 7 da manhã e, desde o início da nossa trip, dia 27 de fevereiro, esse dia foi por unanimidade o que melhor dormimos. Imagina você, desde o Brasil até o primeiro alojamento que paramos na Bolívia: o de estrutura mais simples, sem sinal de absolutamente nada, onde até o banho quente é algo que você tem que rezar para encontrar (e pagar para usar); aqui foi onde nosso corpinho finalmente encontrou algum descanso. Pôde se recuperar parcialmente de tantas trilhas e andanças. Começávamos a Travessia do Salar de Uyuni, 2º dia (e muito bem).

travessia do salar de uyuni, 2º dia - segundo dia - mochilao - chile - bolivia - peru (27)

 

Não que nosso hostel no Atacama fosse pouco confortável para repouso, pelo contrário: era bem aconchegante. Mas só aqui conseguimos nos ver desconectados do mundo de verdade. Para nós, 2 casais  de blogueiros, essa missão só acontece na marra! rs..  Como é bom gente! Estar deitado as 22 horas, mil cobertas grossas em cima de você, ser acordado com luz natural…olha, para ter sido perfeito mesmo só faltou o cheirinho de café brasileiro passado na hora, mas isso por lá não existe (aliás, não existe o tradicional cafezinho coado em nenhum lugar do mundo. Ou se existe ainda não me comunicaram. Café brasileiro vale ouro nos países vizinhos 💛).

Apesar de termos levantado cedo, só perto das 10 da manhã deixamos o local. Havia muito a se organizar. Nessa Travessia do Salar de Uyuni, 2º dia,  o mochilão volta pra parte superior do veículo, junto com os garrafões de água que cada um leva consigo.

Nesse dia nosso café da manhã foi: panquecas, ovos mexidos, suco, geleia, doce de leite (huuummm!!!), leite em pó, café solúvel e vários sachês de chá (sim, sempre tem o de coca no meio).

Dica: Se você sente necessidade da cafeína, mas é um de nós, que detesta café solúvel, leve sachês daqueles em quantidade única. Nós encontramos no Atacama e levamos. Não é como o nosso café brasileño, mas quebra o galho.

travessia do salar de uyuni, 2º dia - segundo dia - mochilao - chile - bolivia - peru (27)

 

Saímos do dormitório em direção ao ponto onde o veículo nos encontraria. Nessa hora, com a ajuda do astro rei, pudemos ver como era o pequeno Vilarejo de Villamar, centralizado no meio de enormes  paredões. Suas casas eram muito simples, a grande maioria sem acabamento. Ao redor alguns morros e um céu estupidamente azul e limpo.

 

Hora de Partir

Finalmente acomodados na 4×4, hora de observarmos mais uma vez a paisagem boliviana. Morros, montanhas e vegetação rasteira. Árvores ali são praticamente inexistentes.

De acordo com Ruben, nosso guia, há boliviano que nasce e morre sem nunca ter visto uma árvore na vida! Imagina você, uma pessoa que não tem acesso a outros territórios e, portanto, não sai daquela área desértica. É inevitável pensarmos no enorme privilégio que temos em sermos parte de um bioma rico e vasto.

Após percorrermos alguns quilômetros, chegamos ao primeiro ponto de parada da Travessia do Salar de Uyuni, 2º dia: o Valle de Rocas. Um excelente ponto para quem gosta de trabalhar a imaginação. A primeira rocha esculpida era chamada de Copa Del Mundo, por se assemelhar a taça dos jogos mundiais.

travessia do salar de uyuni, 2º dia - segundo dia - mochilao - chile - bolivia - peru (27)

 

Bem ao lado, outras tantas rochas monstruosas se apresentavam. Alguns aventureiros se arriscavam subindo nelas. Eu que não sou de ficar olhando, fui também, imediatamente para o ponto mais alto que consegui. 😛

Obs: Cuidado ao se aventurar naquelas alturas!!

 

 

Um pouco mais a frente havia a Pedra Camelo e, adiante, a Cidade Perdida

 

 

Todo e qualquer ponto da Travessia do Salar de Uyuni, 2º dia é interessantíssimo para fazer registros e tentar imaginar tudo o que vier à mente ao passar por cada obra prima dessas.

travessia do salar de uyuni, 2º dia - segundo dia - mochilao - chile - bolivia - peru (27)

 

Travessia do Salar de Uyuni, 2º dia – Laguna Misteriosa (Laguna Negra ou Catal)

Após atravessarmos esse mundo inteiro de rochas, chegamos a outro ponto bastante curioso. Ao descermos do carro, uma nova paisagem nos recepcionava. Uma espécie de “tapete verde” contrastava com o laranja avermelhado das rochas. Caminhamos pouquíssimos metros e logo pudemos avistar a famosa (e dorminhoca) viscacha, uma parente da chinchila.

 

Seguimos pelo caminho que Ruben nos indicou (ele não foi conosco, pois teria que preparar o almoço). Caminhamos pela beirada de um pequeno lago e após cruzarmos algumas rochas, a grata surpresa.

travessia do salar de uyuni, 2º dia - segundo dia - mochilao - chile - bolivia - peru (51)
Laguna Misteriosa – Imagem fantástica cedida pelos nossos amigos do @viajandonajanela

 

Para mim, esse foi o ápice do dia. Talvez até, a melhor parte de toda a travessia. Gente, sou incapaz de mensurar e quantificar a paz que esse cenário nos trouxe. Eu vi isso tudo e imaginei um quadro. Era perfeito demais para ser real! Um enorme lago negro, uma vegetação que crescia sobre a água, patinhos, lhamas pastando tranquilamente: estávamos no céu e ninguém tinha nos avisado!

 

Foi tão difícil sair daqui. Quase impossível deixar para trás toda aquelas paz. Um momento tão único. Juro que pensei seriamente em desistir do almoço, mas não né? A gente tem que manter o corpitcho em pé.

travessia do salar de uyuni, 2º dia - segundo dia - mochilao - chile - bolivia - peru (51)

Retornei sozinha ao ponto onde encontraria os demais. Sim, passei do horário combinado. Como disse a vocês, foi difícil demais deixar para trás aquele que sem dúvida foi um dos lugares de composição mais perfeita que já estive.

Já no local onde faríamos nossa refeição, um ambiente pra lá de simples, composto basicamente por tijolos artesanais de barro, telhado de zinco e porta de alumínio (provável sobra de alguma outra construção); chegou o momento tão ansiado. Nos foi servido uma espécie de empadão de carne, bem recheado e temperado. Nele havia ovo, batatas, frango, milho verde, entre outros ingredientes. Também havia na mesa: atum, salada e mais acompanhamentos (que não recordo agora quais eram). Em resumo: estava delicioso!

Obs: o pessoal da agência também sempre disponibiliza água e Coca-Cola.

Após o almoço, saímos para fazer fotos perto de outras simples casinhas, que pareciam abandonadas.

 

Daí em diante seguimos na 4×4. Vimos algo que em território boliviano é bem comum, mas até então não tínhamos visualizado, uma plantação de quinoa.

travessia do salar de uyuni, 2º dia - segundo dia - mochilao - chile - bolivia - peru (51)

 

Mais adiante, chegamos ao Cânion Del Inca, também conhecido como Cânion Anaconda. Que imagem fabulosa! Um local onde você deve tomar alguns cuidados, por ser bem alto (e quando fomos ventava muito). 

O cânion recebe o segundo nome (Anaconda) por conta do rio que passa logo abaixo e lembra a enorme jiboia.

 

Travessia do Salar de Uyuni, 2º dia – Cidade de San Cristóbal

Chegamos a esta cidade e Ruben nos deixou perto de um mercadão. Ali estávamos livres para comprar algum petisco e explorarmos um pouco.

San Cristóbal é uma cidadezinha próxima a Uyuni, com mais estrutura que Villamar.

Dentro do mercadão havia diversos tipos de massas cruas, farinhas, ovos, industrializados em geral e petiscos bem diferentes do que estamos acostumados a ver no Brasil. Os vendedores dos produtos costumam ser as típicas cholas bolivianas.

Aqui nosso ‘petisquete’ foi: feijão salgado e macarrão doce frito.

Já fora dele conseguimos ver uma escolinha e uma igreja de pedras.

 

Dica: Procure o baño público nessa cidade, pois o próximo posto de parada é distante.

Tenha sempre alguns bolivianos para usar o banheiro. E aquele bom e velho conselho: tenha sempre papel higiênico e álcool em gel com você.

 

Travessia do Salar de Uyuni, 2º dia – Cemitério de Trens

Penúltima parada, já ao lado da cidade de Uyuni. Confesso que euzinha aguardei muito por esse dia. Desde que vi a primeira foto desse lugar fiquei muito curiosa. Um local cheio de locomotivas abandonadas, enferrujadas. Por que diabos me chama tanta atenção? Ainda não descobri. Mas sou capaz de jurar que não estou sozinha nessa ânsia.

 

Ok, talvez haja algo demasiadamente atrativo em estar num ponto onde se concentra muita lataria, que um dia foi útil na história daquela cidade, e porque não, do país inteiro. O Cemitério de Trens intriga, te leva a questionar de onde veio todo aquele descarte. Também é fonte de expressão. Muitos o chamarão de arte.

travessia do salar de uyuni, 2º dia - segundo dia - mochilao - chile - bolivia - peru (51)
Foto gentilmente cedida pelos amigos do @viajandonajanela

 

Travessia do Salar de Uyuni, 2º dia – Uyuni

Já era  fim do dia quando chegamos a cidade de Uyuni. Devo ter falado isso em algum post, mas caso você não se recorde, não dormimos no hotel de sal pelo seguinte motivo: o mesmo estava alagado. Os meses de dezembro a março são predominantemente chuvosos, o que impossibilita o tráfego normal das caminhonetes 4×4.

Nosso hotel, o Hotel Aguilar ,como não podia ser diferente,) contava com estrutura simples, equipado com o básico necessário para algumas horas de descanso. Essa noite foi difícil conseguir banho quente, mesmo pagando a parte. O chuveiro custou a ficar algo que se possa chamar de morno. Mas tudo bem.

Mal nos acomodamos e os meninos (Fábio, Flávio e Gegê), foram à Todo Turismo comprar as passagens para o próximo dia. Nosso próximo destino, após conhecermos toda a parte alagada do Salar, era La Paz. Demos muita sorte, pois havia exatos 4 lugares no veículo. E detalhe, eles chegaram com a agência prestes a fechar. Sim, tentamos fazer a compra pelo site, mas não, não deu certo.

 


Algumas dicas rápidas para viagens de ônibus

Você não precisa comprar seus deslocamentos internos (ônibus) muito antecipadamente, mas é legal chegar no destino “X” e já comprar passagens para o destino “Y” com o máximo de urgência.

Na maioria dos deslocamentos que fizemos, optamos pelo Servicio cama (nosso leito brasileiro). Você paga um pouco a mais, mas tem maior conforto. Além de contar com alguma refeição durante o trajeto.  

Passei essa dica nesse post, mas caso você não tenha lido: é bacana a ideia de fazer as viagens internas de noite/madrugada. Dessa forma economiza-se 1 diária de hotel e  você ainda não perde 1 dia de passeio por conta de deslocamento.

Fiz uma simulação no site da Todo Turismo, só para você terem uma ideia, o valor do ônibus semi cama estava 250 bolivianos e o cama 300 Bs , o que equivale a +/- R$ 125 e 150 respectivamente. Por isso a grande vantagem do Cama. 


Voltando ao hotel

Essa noite jantamos sopa de entrada, salada, papas fritas e frango como prato principal. E pra fechar o dia com chave de ouro, ganhamos um autêntico vinho boliviano. E não é que o bicho era bem gostoso?

 

Fim da nossa Travessia do Salar de Uyuni, 2º dia. Que incrível! Essa noite dormimos com leve frio, bem cansados mas satisfeitíssimos com tudo! É uma experiência de vida mesmo. Um choque de realidade. Tanta beleza que contrasta com a precariedade do país. E olha que em La Paz o negócio é ainda mais tenso.

Eu recomendo uma vivência dessas para todos, mas especialmente, para você, que está nesse exato momento absorvendo cada palavrinha que eu deixo aqui. Isso é sua alma te chamando para enxergar a vida sem “vendas”, sem filtro.

 

Travessia do Salar de Uyuni, 2º dia – Perguntas Frequentes

Durante nosso Tour, recebi algumas perguntas por direct no @levesemdestino (se você não segue ainda, faz favor!). Como elas devem ser recorrentes, vou respondê-las aqui:

 

Porque eu vi na foto do meu amigo que ele conheceu pontos diferentes desses de vocês?

Nós não temos uma resposta definitiva para essa questão. Fato é: os fatores climáticos afetam diretamente esse tipo de roteiro. Como pegamos o Salar alagado, não havia condições de dormirmos no hotel de sal e isso também nos impossibilitou de conhecermos outros pontos. No começo fiquei um pouco decepcionada, mas ao passarmos por tudo isso relatado aqui e ainda por cima, termos contato com o Salar inundado, nós apenas podemos agradecer (no próximo post você vai entender o que estou falando 😉 ).

Para que você tenha uma ideia do quão diferente pode ser a travessia, veja esse post do casal Roda no Pés. Eles fizeram a Travessia pouquíssimos dias depois de nós. O Tour deles foi no sentido oposto (Uyuni – Atacama). Provavelmente as agências também ajustem os próprios roteiros, cabendo a você perguntar todo ele.

 

Quais são os perrengues que você pode encontrar durante a Travessia do Salar de Uyuni, 2º dia?

Provavelmente aqui você não venha a sofrer mais com o mal da montanha. Mas os cuidados com a alimentação continuam.

Outro possível empecilho dessa aventura podem ser as manifestações. Elas são bem comuns por ali e em outras partes do país.

 

Observações:

 Tenha sempre papel higiênico e álcool em gel.

 Para quem não lembra, fizemos nossa Travessia com a Lithium Aventura. (através da 123 Andes)

 

Curiosidades:

 Altitude: 4010 metros;

 Os professores das escolas ensinam as línguas quechua e espanhol;

Os motoristas das 4×4 são também guias, cozinheiros, mecânicos (vira e mexe algum veículo dá defeito) e o que mais seja necessário. São pau pra toda obra mesmo, e esse é um forte motivo para você buscar boas referências de agência.

 Ao sairmos da cidade de Villamar, reparamos uma pequena escolinha com os dizeres: “Mar para Bolivia. El mar nos une”. Pelo que nos explicaram os bolivianos batalham para ter livre acesso ao mar, que pertence ao Chile. Essa dificuldade encarece o comércio e exportação do país com o restante do mundo. A demanda é tão importante para os bolivianos que está na Constituição. “O Estado boliviano declara seu direito irrenunciável e imprescritível sobre o território que dá acesso ao Oceano Pacífico” Fonte: Estadão.

travessia do salar de uyuni, 2º dia - segundo dia - mochilao - chile - bolivia - peru (51)

 


É isso amiguinho(a), por hoje termina aqui nosso relato  de Travessia do Salar de Uyuni, 2º dia. Uma data que podemos chamar de memorável. Até aqui não havíamos visto nem um pedacinho da parte alagada do deserto de sal, o mais aguardado de todos os momentos. Se até aqui estávamos incrédulos no que o destino nos proporcionava, ‘cê’ imagina o que ainda estava por vir. 

travessia do salar de uyuni, 2º dia - segundo dia - mochilao - chile - bolivia - peru (51)


sudeste asiatico, por onde comecar - tailandia - laos febre amarela - anvisa

O Leve Sem Destino faz parte de alguns programas de afiliados, isso significa que se você fizer sua reserva através dos links parceiros encontrados abaixo, nós ganhamos uma pequena comissão. Você não paga nada a mais por isso e ainda ajuda o blog a se manter.

 

Hospedagem | Aluguel de Carros | Seguro Viagem

Gif por Marco Martina


Mônica Rodrigues

Leonina, brasiliense de alma e coração, graduada em Administração em Comércio Exterior e apaixonada por tudo o que envolve o ramo (apesar de não atuar nele). Tem verdadeiro fascínio pelo desconhecido. Acredita que pessoas se tornam melhores ao se depararem com o externo/ diferente, o que foge da “bolha”. Se sente em paz ao viajar e carrega consigo seu namô e sua família pra onde quer que vá.

8 comentários em “Travessia do Salar de Uyuni, 2º dia

  • 9 de agosto de 2018 em 14:31
    Permalink

    É uma aventura mesmo esse passeio pelo Salar Uyuni. Acho que são dois desafios: Altitude e banheiros! Mas a paisagem e o modo de vida deste povo humilde nos recompensa. Ótimo post!

    Resposta
  • 8 de agosto de 2018 em 07:20
    Permalink

    Sonho em conhecer o Salar de Uyuni. Fico sempre babando nas fotos incríveis que vejo e fiquei encantada em ver a beleza desse lugar e como a paisagem é linda com o Salar alagado. Adorei! Lindas fotos e texto completinho!

    Resposta
  • 7 de agosto de 2018 em 05:40
    Permalink

    Que delícia de passeio, foi uma das experiências mais incríveis da minha vida e ler seu post me teletransportou de volta pro Uyuni!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *